Problema para um, detalhe para outro

Um barulho no carro pode ser apenas um detalhe ou um problema

Um barulho no carro pode ser apenas um detalhe ou um problema

Essa história foi contada por um colega na nossa reunião diária.

Um amigo dele, mecânico, trabalha em uma concessionária de carros. Eles receberam um carro para ser feito uma revisão. Esse carro era usado pelo pai e pelo filho. Como o filho utilizava mais o carro, foi responsável por levar o carro para a revisão. A concessionária ao receber o carro, questionou se desejava que fosse visto algo em especial e o filho descreveu um barulho que ocorria ao sair da sua garagem.

A revisão foi feita, tirado vários outros barulhos do carro e sugerido que se trocasse uma peça que custava aproximadamente R$ 1000,00. Porém não foi possível simular a situação onde o barulho ocorria e os mecânicos acreditaram que a revisão já deveria ter eliminado-o. Mas a troca da peça não foi autorizada pelo filho.

Pai e Filho podem ter opiniões diferentes sobre o mesmo problema

Pai e Filho podem ter opiniões diferentes sobre o mesmo problema

No outro dia, o filho retornou a concessionária reclamando do mesmo problema, foi novamente revisado, mas não simulado o problema. Isso se repetiu algumas vezes até que um outro mecânico resolveu ir até a casa do cliente e ver o que realmente ocorria. Na casa, a garagem tinha um declive para um lado, enquanto a rua tinha um declive para o outro lado. Esses declives provocavam um trabalho intenso da suspensão, carroceria e outras partes do carro. O barulho dava no contato entre o pára-lama e a carroceria do carro.

A solução era simples, uma vedação e pronto. Mas dessa vez o carro foi entregue ao pai que questionou: E ai? Tudo certo então com o carro? Claro que não estava, havia ainda a peça a ser trocada que não houve autorização. E o pai logo disse: Pô, a dias vocês estão nesse carro, se preocupando com esse barulho e não trocaram a peça?

Resumo: Os problemas têm importâncias diferentes para cada um. Investiu-se tempo para resolver um problema que havia apenas para o filho, se questionasse o pai, ele provavelmente diria que aquele barulho era apenas um detalhe e que trocassem o que realmente era preciso. Quando um problema parece apenas um detalhe, ou é um problema apenas para apenas algumas pessoas, vale a pena questionar outras, um superior, por exemplo, no caso do trabalho.

Sobre peixotmarc

Conheceu seu primeiro computador com 10 anos, era um TK2000, ligado numa TV Philco-Ford preta e branco. Comprava revistas e digitava os códigos fonte e gravava os jogos numa fita K-7 . Aos 12 anos começou a programar em DBase III, informatizou os boletins do colégio onde estudava com a ajuda do seu irmão de 15 anos. Aos 18, resolveu formalizar toda a bagagem de conhecimento que tinha em informática indo para a Universidade. Trabalhou como suporte técnico em fumageira e desenvolvedor em software house. Descobriu que as multinacionais eram os bancos públicos da década de 80 e 90 e hoje trabalha em uma das 10 melhores empresas para se trabalhar no Brasil. Estuda e pelo menos tenta aplicar métodos ágeis para ter mais tempo para o que acha mais importante na vida: sua família linda.
Esta entrada foi publicada em Idéia com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s